Notícias da UNIDAS -

             Espírito Santo


Diminuir o tamanho da letra Aumentar o tamanho da letra Imprimir...

Autogestões: Decisão do STF ajuda entidades

Terça, 30 de novembro de 1999, 00:00 h

O Supremo Tribunal Federal julgou na última quarta-feira (23) inconstitucional a contribuição social de 15% que onera entidades e empresas ao pagarem os serviços prestados por cooperativas de trabalho. Esta decisão é de interesse direto dos fundos de pensão que administram planos de saúde sob o regime de autogestão e, por conta disso, efetuam pagamentos aos médicos cooperativados. O percentual é recolhido ao INSS, que mostra estar acompanhando com atenção tal recolhimento.

  A notícia é que o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), por unanimidade, deu provimento a recurso e declarou a inconstitucionalidade de dispositivo da Lei 8.212/1991 (artigo 22, inciso IV) que prevê contribuição previdenciária de 15% incidente sobre o valor de serviços prestados por meio de cooperativas de trabalho. A decisão foi tomada no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 595838, com repercussão geral reconhecida, no qual uma empresa de consultoria questionava a tributação. A Lei 9.876/1999, que inseriu a cobrança na Lei 8.212/1991, revogou a Lei Complementar 84/1996, na qual se previa a contribuição de 15% sobre os valores distribuídos pelas cooperativas aos seus cooperados. No entendimento do Tribunal, ao transferir o recolhimento da cooperativa para o prestador de serviço, a União extrapolou as regras constitucionais referentes ao financiamento da seguridade social. Segundo o relator do recurso, ministro Dias Toffoli, com a instituição da nova norma tributária, o legislador transferiu sujeição passiva da tributação da cooperativa para as empresas tomadoras de serviço, desconsiderando a personalidade da cooperativa. “A relação não é de mera intermediária, a cooperativa existe para superar a relação isolada entre prestador de serviço e empresa. Trata-se de um agrupamento em regime de solidariedade”, afirmou o ministro. Além disso, a fórmula teria como resultado a ampliação da base de cálculo, uma vez que o valor pago pela empresa contratante não se confunde com aquele efetivamente repassado pela cooperativa ao cooperado. Para o ministro, a tributação extrapola a base econômica fixada pelo artigo 195, inciso I, alínea “a”, da Constituição Federal, que prevê a incidência da contribuição previdenciária sobre a folha de salários. Também viola o princípio da capacidade contributiva e representa uma nova forma de custeio da seguridade, a qual só poderia ser instituída por lei complementar. Diario dos Fundos de Pensões

Notícia anterior: Autogestão e longevidade
 

 


UNIDAS na Imprensa


Saiu na imprensa:
http://www.unidas.org.br/periodicos/periodico.php?indice=atual&categoria=dn

 

Notícias da área de saúde


Acompanhe as notícias nacionais da área de saúde
http://www.unidas.org.br/noticias/noticias.php?indice=atual&mo=lista&categoria=na

 

União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde – UNIDAS-ES
Rua Eurico de Aguiar, nº 888, sala 1102, Ed. Metropolitan Office Santa Lúcia - Cep 29055-280 - Vitória-ES.
Telefax (27) 3345-2609 - Tel: (27) 3345-2610 - e-mail: unidas.es@unidas.org.br